Default Header Bubble Text

Como a pesquisa está beneficiando doentes pulmonares graves

POR EM Dr. Lair Huning, Lair Huning, Oftalmologia em 27 de outubro de 2017

Mais do que subsidiar a ciência de informações e ajudar a identificar as melhores formas de tratar uma doença, a pesquisa acadêmica pode contribuir para a melhoria da vida de pacientes antes mesmo de ser concluída. É o que se vê em casos como os estudos do uso de células-tronco para beneficiar doentes pulmonares graves, realizado por pesquisadores de Pneumologia da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). Desde o ano passado, o grupo realiza a infusão das células-tronco em pacientes previamente recrutados, com diagnóstico de enfisema pulmonar e bronquite crônica em estágios avançados e sintomas como cansaço extremo, falta de ar e sedentarismo.

laboratory-2815641_960_720

O estudo tem como objetivo avaliar a eficácia de medicamentos novos, ainda não disponíveis no mercado. Meses depois de iniciado o tratamento, em 2017, foi possível observar melhorias na capacidade respiratória dos pacientes, ainda que em análises parciais de três e seis meses – o período de análise das reações às infusões termina em dezembro.

Depois de receber as células-tronco, os pacientes testes periódicos de caminhada, escala de dispneia, além de espirometria (que mede volume e velocidade do ar para dentro e fora dos pulmões) e pletismografia (teste completo de função pulmonar). Eles também aprendem a respirar melhor e praticam exercícios durante as sessões, que ocorrem de duas a três vezes por semana e levam cerca de uma hora. Os primeiros resultados foram comemorados pelos pesquisadores, que disseram ter constatado “indicadores de melhora da qualidade de vida a partir de questionários aplicados e procedimentos que atestam a função respiratória”.

O próximo passo será comparar as avaliações iniciais e finais. O desempenho será medido de forma conclusiva no fim do ano, quando forem realizados exames de imagem, como tomografias e cintilografias. Ainda que conte apenas com resultados preliminares, a pesquisa da Faculdade de Medicina do ABC já cruzou fronteiras neste ano. Em setembro, o estudo foi apresentado no 27th International Congress of the European Respiratory Society (27º Congresso Internacional da Sociedade Europeia Respiratória), em Milão, na Itália. Antes disso, o mesmo trabalho tinha sido reconhecido no início de agosto, em Fortaleza, no Congresso Brasileiro de Asma, DPOC e Tabagismo.

Na ocasião, ficou entre os 10 melhores do evento. Vinculado à disciplina de Pneumologia, o Centro de Reabilitação Pulmonar, em Santo André, funciona desde 2001 e realiza cerca de 1 mil atendimentos mensais. O local é destinado principalmente a adultos e idosos portadores de bronquite crônica, enfisema pulmonar, DPOC, asma e outras patologias pulmonares.

A maioria dos pacientes tem mais de 50 anos e apresenta muito cansaço, fraqueza muscular, sedentarismo e falta de ar. O Centro de Pesquisa Clínica da Faculdade de Medicina do ABC ainda seleciona pacientes para novos estudos, nas áreas de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), enfisema pulmonar, asma de leve a moderada para adultos e asma não controlada para adolescentes. Interessados podem entrar em contato de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, pelo telefone (11) 4993-5459 para pré-triagem.

Os candidatos que se enquadrarem nos requisitos iniciais serão agendados para consulta médica. As vagas são limitadas, e os pacientes aceitos contam com acompanhamento multiprofissional e tratamento 100% gratuito. Nós da HRPC acreditamos que as pesquisas clínicas são fundamentais para a melhoria na saúde e na qualidade de vida de todos nós. Nossos profissionais têm experiência em várias áreas terapêuticas, entre elas: Oncologia, Reumatologia, Vacinas, Ginecologia, Oftalmologia, Cardiologia, Pneumologia, Diabetes, entre outras. Com uma estrutura dinâmica, estamos aptos a atender seu projeto, não importando o tamanho e complexidade.


COMPARTILHE:

3 anos ago / Sem Comentários

27

OUT

Sem

Comentários

richard_pense

Tags:

Comentários